‘Celular, na sua época sua mãe nem sonhava em usar. ’ É engraçado essas coisas que você não consegue se imaginar sem e que há um tempo não muito distante nem existia. Tipo, quando eu era pequena eu achava o máximo o telefone sem fio da vizinha e ficava com a dúvida:  Se ela saísse de casa até onde ela conseguiria falar? Achava isso o máximo. Mas aí depois que a gente acostuma com algo a gente não consegue mais se imaginar sem aquilo. É igual aquela pessoa rica que fica pobre. Nascer pobre é ruim, mas ficar pobre é uma desgraça. Minha mãe odeia que eu use essa palavra. Na verdade, ela odeia que eu digo muitas coisas e acho que quanto mais ela reclama mais eu falo e juro que não é pirraça (acho que pirraça parece nome de palhaço). É espontâneo, força do hábito e tem mais, a maioria dos palavrões que a gente usa a gente nem pensa em seu real significado. Já chamei tanta gente cuja mãe é adorável de filha da puta... Tem hora que xingar (o Word apontou a palavra xingar como errada e mandou eu substituir por falar mal. Mereço? Até ele querendo mandar aqui? .) é libertador, mas tem hora que parece que me estressa ainda mais. Xingar é externar o que você sente só que só é bom se tem um alvo então eu acho desnecessário xingar objetos inanimados como a porcaria da quina da cama que atrai o dedinho. Eu e minha irritante mania de mudar de assunto.
A maior função do celular é fingir que to entretida nele quando vejo alguém que não quero falar oi. Sempre tem aquele tipo de pessoa que dá aquele pânico no lago de ter que falar oi então é ótimo. É por isso que não apago as fotos, as mensagens... Deixo lá pro dia que precisar ficar olhando mil vezes a mesma coisa se for necessário. Pra minha mãe a maior função é me localizar, me ligar com aquela voz de sono me mandando voltar pra casa ‘onde você  tá filha? Tá tarde já. Dá um jeito de voltar pra casa. ’. Então, se eu não consigo me imaginar sem cel? Imagina a Dona Sandra? O despertador também entra na lista de coisas mais úteis. Eu só durmo com o celular em baixo do travesseiro por causa dele porque na verdade eu acho um saco quando eu to dormindo lindamente e alguém me liga. Nem preocupo em disfarçar, atendo com voz de quem acabou de acordar mesmo, estressada mesmo pra pessoa ver que me acordou e ficar com peso na consciência. Aliás, é esse um dos termômetros que indicam quando eu to gostando muito de alguém, se eu não ficar puta com a ligação de madrugada ou der aquele maldito sorrisinho com a mensagem é alerta vermelho o que significa que ‘aí a porra ficou séria. ’. E outra, eu queria saber quem foi que inventou o soneca (tem um anão da branca de neve que tem esse nome né? Nunca fui muito com a cara lesadinha dele) do despertador? Aquilo lá engana todo mundo e faz qualquer um perder a hora fácil. Eu não entro na lista de qualquer um e do todo mundo porque eu tenho pânico da função soneca então quando eu a ativo eu fico acordando de 1 em 1 minuto  assustadíssima achando que perdi a hora. Comigo a coisa é bem mais grave, quando to com muito sono desligo e despertador e fico com aquela preguicinha de levantar da cama boa e acabo pegando no sono eterno, aquele que a gente quase desidrata de tanto babar. Acho que não vou casar porque eu babo muito enquanto durmo.
Celular só toca quando você não espera e nunca toca quando você espera. Fica olhando fixamente pra ele quando quer que alguém te ligue é o maior espanta ligação que tem. E isso é comprovado experimentalmente pela minha pessoa. Tipo, o problema da tão xingada mensagem de operadora não é ela em si, mas quando ela chega você geralmente tem aquela esperancinha que seja daquela pessoa. Falando em mensagem, não tem nada mais constrangedor que mandar mensagem errada. Segundo a Lei do nosso amigo Murphy (e não é o Ed) quando uma pessoa manda mensagem errada essa mensagem tende a ser a mais comprometedora possível. Aliás, tem coisa mais constrangedora sim: falar mal da pessoa se ter desligado o celular. É claro que eu já fiz isso. Pelo menos  eu não falei nada que não falaria na cara.
Tem muitas coisas que me constrangem na vida e uma delas é toque de celular. A coisa mais difícil que tem é escolher um toque decente. Acho tenso quando a pessoa tá lá de boa e aí toca algo constrangedor. Eu sempre imagino Lady Gaga como exemplo, a pessoa tá lá de boa de repente começa a tocar Alejandro, Bad Romance ou Telephone que tem gente que deve achar bem criativo usar telephone como toque né?  TENSÃO EM CRISTO. Ou pior ainda são aqueles que um dia, em um tempo tão tão distante foram modinha tipo ‘fiu,fiu olha a mensagem’, ‘Sofia, o Sofia, ooooo Sofia da puta ateeende’ ‘tem pobre ligando pra mim’ ou aquelas voz de criança ou adulto imitando criança que é pior ainda .Já deu pra entender que que eu to querendo dizer né? Não dá preu ficar citando essas vergonhices alheias eternamente. Então, amigos escolha aquele que quando tocar na padaria você não vai ter que fingir que não é com você.
 É só isso que tenho pra falar de celular, mas lembrei de outra coisa e como aqui eu escrevo o que eu quero já vou falar. Isso aqui não é novela pra enrolar pro próximo capítulo mesmo, deu vontade eu tenho que falar. Falando em fingir eu lembrei da vez em que minha irmã no supermercado lotado avistou uma fila meio vazia e entrou. Quando viu que a olhavam estranho, percebeu que estava no caixa preferencial. E o que fez? Aquela posição de grávida, barriga pra frente, perna meio aberta e mão na barriga. Infalível, pelo menos não foi linchada. Obs totalmente desnecessária: Tenho aflição de umbigo de grávida.
Aí também teve uma vez que a gente tava comprando fralda pra um chá de bebê e um amigo do meu pai (aquele tipinho fofoqueiro que torce pra ter o que contar pro seu pai e fortalecer o espírito da amizade masculina) perguntou pra quem que era. Eu sempre bocudinha respondi: ‘Não tá sabendo? A lu tá grávida, a gente tá tão feliz. ’ e coloquei a mão na barriga dela. Tudo bem que arrisquei um falso boato sobre a minha irmã, mas a cara dele foi impagável e também falsos boatos são tão ridículos que chegam a ser cômicos. Fico só imaginando o que ele faria se no lugar de fraldas fossem camisinhas. Tenho muita história de gravidez inventada pra contar, mas sei lá se o povo quer saber disso. Sei lá também se isso é interessante. E a preguiça de digitar ajuda também. 

0 comentários: